Pesquisar neste blogue

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Carta de um amigo ao PAI NATAL...LEIAM

Carta de um amigo ao PAI NATAL...até aqui nada de estranho,não fosse o facto deste amigo já estar na casa dos 50...que terá ele pedido??? LEIAM

"Caro Pai Natal
Porventura estarás a pensar porque raio um matulão deste tamanho te está a escrever. Acontece que outro dia, um amigo meu, a respeito de qualquer conversa sobre algo pouco provável de acontecer, me questionou, “Ouve lá, não me digas que também acreditas no Pai Natal?” Tenho que confessar que sim. E não me parece mais despropositado do que acreditar em vida extraterrestre, em virgens aos 18 anos, que Portugal seja uma democracia ou que o Sporting venha a ser campeão. Mas deixa que te diga, ficarias surpreendido com a quantidade de pessoas que acredita nestes exemplos que acabei de referir.
Mas então porque te escrevo eu? Pela mesma razão que te escrevem todas as crianças do mundo. Na dúvida se tens uma carrada de sósias que te ajudam na distribuição, se usas tecnologia do filme “Star Wars” no trenó e nas renas, ou se descobriste algum portal para outra dimensão que te permite encurtar distâncias, vou arriscar na mesma e fazer o meu pedido…
Vou deixar de fora aqueles desejos que já nem tu consegues realizar. Se o teu sócio lá de cima não conseguiu acabar com a fome e a guerra, mesmo depois do pedido nos últimos vinte anos de todas as candidatas a Miss Universo, também não vai ser um pedido de um estafermo como eu que irá resultar. O negócio dos milagres está pelas ruas da amargura e, como tal, não me gozes por ter chegado a pensar em pedir-te políticos honestos. Eu sei que sou um bocado ingénuo.
Sendo assim o que te posso pedir eu? Olha Pai Natal, sabes o que é que vinha a calhar? Tempo. Não tens por aí um bocadinho de tempo? Esta cena dos dias só terem vinte e quatro horas não dá com nada. Os pais não têm tempo para os filhos, amigos não têm tempo para se encontrar, amantes já não têm tempo para amar. Acho que falta tempo a muita gente. E depois os filhos crescem agarrados a um computador por falta de tempo dos pais, convivem com os amigos nas redes sociais por falta de tempo para conviver “in loco”, arranjam a namorada pelo mesmo meio, porque não terão tempo para estar, para sentir. E, como tal, não saberão amar. Por falta de tempo.
Este tempo que te peço não é para mim. As vinte e quatro horas do dia sempre me bastaram para ouvir a minha filha, tal como hoje ouço a minha neta. Sempre tive tempo para os meus amigos, apesar de muitos deles não terem a mesma sorte que eu. E sempre tive tempo para amar. Certamente hoje não terei tanto dinheiro como outros a quem as vinte e quatro horas do dia não chegam. Mas sem dúvida que sou mais feliz do que alguns deles. Por isso Pai Natal, dá-lhes tempo neste Natal. Dá-lhes tempo para viverem, dá-lhes tempo para sentirem, dá-lhes tempo para amarem.
E de caminho, se puderes deixar o Porsche 911 Turbo S no meu sapatinho, sempre consigo ganhar algum tempo no percurso que faço para o trabalho.
Obrigado Pai Natal
P.S. – Esqueci-me de te dizer… portei-me bem durante quase todo o ano!"

Sem comentários:

Enviar um comentário

obrigada pelo comentário