Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Amanhã não estarei aqui, meu amor

Amanhã não estarei aqui, meu amor. Sei-o bem e tu também. Amanhã, quando já cá não estiver, cumprirei o que sempre te prometi: ser teu para sempre. Quando nasci deram-me vida, mas só quando te conheci é que comecei a viver. E amanhã, quando deixar de o fazer, deixo também a certeza de que se algum dia tive a honra de viver foi porque tu viveste também... comigo. Amanhã, certamente amanhã, agarrarei no teu amor e abandonarei o meu corpo, com a certeza de que com ele viverei para sempre. A ti, meu amor, peço-te somente que me guardes num cantinho do teu coração e que voltes a amar, que voltes a sonhar e a viver. E eu, prometo, esteja onde estiver, irei continuar a amar-te, porque amar-te... não exige sequer o mesmo mundo.


GRIPE PREVENIR É (TAMBÉM) VACINAR


GRIPE
BENIGNA, MAS...
É, geralmente, benigna, mas importa tratá-la, sob pena de evoluir para uma doença respiratória mais grave. A sua complicação mais frequente é a pneumonia.
Com duração média de 5 a 7 dias o seu tratamento é dirigido aos sintomas. As alternativas possíveis, sob recomendação, médica ou farmacêutica, incluem:
- Antipiréticos e analgésicos - para febre e dores
- Antitússicos - para a tosse seca
- Expectorantes - para a tosse com expectoração
- Descongestionantes - para a congestão nasal (nariz tapado)
Existem também fármacos antivíricos usados na prevenção e no tratamento da gripe: de prescrição médica, devem ser tomados no primeiro dia da infecção e ajudam a atenuar os sintomas, diminuindo a duração da doença e o risco de complicações.
Os antibióticos não são úteis no tratamento da gripe, pois actuam só sobre bactérias. São apenas usados se a gripe evoluir para uma infecção bacteriana (por exemplo pneumonia).
Além dos medicamentos deve-se: ingerir líquidos em abundância, repousar, alimentar-se correctamente, evitar mudanças de temperatura, permanecer num espaço arejado.


GRIPE
PREVENIR É (TAMBÉM) VACINAR
A vacina deve ser tomada a cada Setembro ou Outubro, oferecendo protecção apenas por um ano pois o vírus modifica-se, surgindo todos os anos com uma face nova. É principalmente recomendada para pessoas com:
- 65 ou mais anos de idade, sobretudo em centros de dia, lares ou com internamento prolongado
- mais de 6 meses (bebés) e história de doenças respiratórias
- doenças crónicas dos pulmões, coração, fígado, rins ou diabetes, mesmo que estejam grávidas ou a amamentar
- sistema imunitário deprimido
- profissões na área da saúde ou que cuidam de idosos ou doentes
- risco de infecção devido ao contacto com aves vivas ou mortas
Não se podem vacinar pessoas com história de reacção alérgica à vacina, com alergia ao ovo (que está em quantidades mínimas na vacina), pessoas que estejam constipadas ou com gripe, crianças com menos de seis meses.
A vacina oferece uma protecção elevada, diminuindo a probabilidade de ter gripe, a gravidade dos episódios e das suas complicações. Além disso, tem poucos efeitos secundários: um ligeiro incómodo no braço e, por vezes,
alguma febre.
A prevenção também passa por: evitar o contacto directo com doentes, limitar a presença em espaços fechados e com muitas pessoas e adoptar alguns cuidados de higiene para não transmitir o vírus (usar lenços descartáveis, tapar a boca quando espirra, lavar as mãos depois).

                                        Vacine-se contra a gripe.