Pesquisar neste blogue

sábado, 29 de novembro de 2014

A Internet e as crianças

Veja como é tão fácil chegar às crianças, aos seus filhos, aos seus sobrinhos... a quem mais ama
Lembre-se das regras mínimas de segurança. Esteja sempre alerta..
A Internet e as crianças:

                                      
Para as crianças, a Internet é um local para interagir com os amigos, se divertir (com jogos, por exemplo) e aprender; mas que oferece perigos, assim como o mundo real. Entretanto, as crianças são incapazes de distinguir o que é perigoso e o que não é. Os pais, sabendo disso, preocupam-se com a atitudes das crianças frente o computador e a Internet:
1- Excesso de uso – os pais se preocupam por não entender e não saber o que os filhos fazem durante todo tempo que passam no PC.
2- Amigos virtuais – os pais estranham o fato de seus filhos conversarem com pessoas que não conhecem pessoal via Internet.
3- Não saber como proteger os filhos – a maior preocupação dos pais é não saber como proteger as crianças das ameaças que a Internet representa.
As crianças, quando começam a se interessar pelas redes, tendem a passar a maior parte de seu tempo online nesses tipos de site:
- Jogos online
- Pesquisas para o colégio
- Redes sociais
- Chat online
- Sites em geral (vídeos, como Youtube; fotos; etc)
                                                
Diversos pais, ao se depararem com os filhos usando ativamente a Internet, ficam em dúvida de como agir e não sabem como abordar o assunto com os filhos. Por causa disso, preparamos uma lista de dicas para os pais:
- Proibir não funciona e não educa
A primeira reacção de muitos pais é bloquear sites e programas ou proibir a utilização do computador. Essa atitude, não funciona pois apenas induz a criança a buscar alternativas para acessar a Internet: a casa dos amigos, o computador da escola, uma lanhouse. Além disso, esse método não faz o mais importante: educar os filhos em relação aos perigos que a Internet pode representar – como criminosos e pessoas mal intencionadas.
- Começar com uma conversa aberta
Seguindo a premissa do item anterior, recomendamos que, ao invez de bloquear o acesso ao computador, os pais tenham uma boa conversa aberta com os filhos. O objectivo dessas conversas é explicar para as crianças o que é a Internet, como funcionam os sites, quem são as pessoas que publicam conteúdo, o que são as redes sociais, etc. Depois de explicar o que compõem a Internet, é importante deixar claro para as crianças quais são os riscos que existem em cada parte da mesma. Por exemplo, contar sobre os riscos de conversar com pessoas desconhecidas em redes sociais. Também é importante, claro, mostrar que a Internet tem diversos pontos positivos: é fonte de informação e pode ensinar muito para as crianças.
- Use a Internet junto com ele
Assim que seu filho começar a demonstrar interesse por computadores e a Internet, recomendamos que você comece a utilizar o computador junto com ele. Um dos objectivos é que você compartilhe seu conhecimento sobre a rede com o filho, guiando a utilização dele pela Internet. E essa atitude ajuda os pais a se aproximarem dos filhos e demonstrando que a Internet é uma experiência positiva que pode ser compartilhada com os pais. Navegar com seu filho continua válido depois de ele ter crescido um pouco, pois a relação muda: agora, é ele quem vai compartilhar conhecimento com você e te ensinar sobre as novidades da Internet.
                                            
- Dê dicas para aumentar a segurança das crianças na Internet
Seu filho provavelmente não consegue distinguir com precisão o que é perigoso do que não é, principalmente quando a fonte do perigo são outras pessoas. A ingenuidade natural de uma criança a impede de perceber quando alguém mal intencionado o aborda nas redes sociais. Por isso, é importante que os pais dêem dicas para as crianças visando mostrar para elas os problemas que a Internet potencialmente oferece. Recomendamos que os pais não sentem com os filhos para listar todas as dicas, mas sim façam referências aos problemas de forma espontânea. As dicas que separamos são:
- Não adicionar pessoas desconhecidas no Facebook e outras redes sociais
- Activar as configurações de privacidade do Facebook (para que apenas os amigos adicionados tenham acesso às informações)
- Evitar passar informações pessoais pela Internet (como endereço, telefone, nome completo)
- Utilizar nomes (e apelidos) fictícios em jogos e chats online
- Não conversar com estranhos pela Internet (a mesma regra que é válida para o mundo físico)
- Explicar o risco de encontrar um amigo virtual pessoalmente
É comum crianças e pré-adolescentes fazerem amigos virtuais quando estão jogando ou frequentando salas de bate papo online. E metade das crianças já marcaram encontros com seus amigos virtuais. Sabendo dessa vontade das crianças de conhecerem seus amigos virtuais e partindo da premissa é que difícil impedir que os filhos os encontrem, recomenda-se que os pais instruam as crianças de como realizar esse encontro. A recomendação é que as crianças não encontrem o amigo virtual sozinhos, mas sempre levem um outro amigo junto. Se possível, um amigo mais velho. Além disso, é fundamental que as crianças entendam a importância de encontrar os amigos em um local público e movimentado
- Manter o computador em áreas comuns
Para desincentivar actividades estranhas e inseguras na Internet, o ideal é que as famílias deixem o computador da casa (ou da criança) em um ambiente aberto (a sala de estar, por exemplo), onde haverá outras pessoas e adultos presentes. O objectivo é sinalizar para a criança que ela não deve esconder o que faz na Internet e, ao mesmo tempo, inibir que ela faça coisas erradas. Alguns pais, que não possuem espaço para deixar o PC em áreas comuns, preferem utilizar programas para monitorizar o que os filhos fazem na Internet.
                                        
- Aproxime-se dele nas redes sociais
Adicione seu filho no Facebook e comece a acompanhar as postagens dele, converse com ele pela rede social… O objectivo é demonstrar interesse pelos assuntos do seu filho e, também, poder visualizar o que ele está fazendo na Internet. Caso essa não seja uma opção viável, os pais podem utilizar softwares de monitoramento para Facebook e outras redes sociais, bem como sites acessados e conversas com os colegas.
- Estabelecer horários de uso para o PC
Apesar do computador ser muito benéfico em diversos aspectos, pois é fonte de conhecimento, informações e diversão, é fundamental que os pais limitem a utilização do PC durante algumas horas do dia. Para as crianças, utilizar o computador é muito instigante, o que pode fazer com que a mesma para de realizar outras actividades e foque apenas em usar o PC. Por causa disso, os pais devem estar atentos e estabelecer, em conjunto com as crianças, regras de controle de horários para o PC. Assim, as crianças passarão mais tempo do dia em actividades ao ar livre (como brincar os amigos e colegas, jogar futebol, etc) e se dedicarão mais aos estudos. Para pais que passam o dia inteiro fora de casa e não conseguem verificar se os filhos estão cumprindo o combinado, é possível utilizar programas que:
1) gravam histórico de acessos;
2) bloqueiam o computador nos horários em que o uso foi bloqueado.
- Ensine-o a respeito do perigo tecnológico
Além do perigo que se origina nas pessoas mal intencionadas, há também o perigo tecnológico na rede e as crianças precisam entende-lo. Por exemplo, as crianças podem clicar num link que viram no Facebook e contaminar o computador. Ou realizar um download de um “anexo” que receberam via email e infectar, novamente, o PC. Por isso, deve-se orientar os filhos à não clicar em qualquer link que vêem na Internet ou nas redes sociais. Também é importante esclarecer que os arquivos baixados na Internet podem conter programas maliciosos e roubar as informações do computador. Esse risco também se estende aos pais: o filho pode infectar o computador; quando o pai for utilizar para acessar o internet banking ou realizar uma compra online, seus dados estarão vulneráveis para invasores. Para prevenir-se, muitos pais vão além da orientação e bloqueiam todos os downloads de programas no computador.
- Softwares para protecção das crianças na Internet
Além do diálogo e acordos com os filhos, muitos pais optam por opções mais seguras: os programas de monitoramento. Esses programas costumam oferecer dois tipos de funcionalidades básicas:
 1) monitoramento de conversas, programas e sites;
2) bloqueio de contactos, programas e sites.

Sem comentários:

Enviar um comentário

obrigada pelo comentário :-)